KÁ DO ESPORTE PEDE A VOLTA DO PROGRAMA JOVEM APRENDIZ EM PEDREGULHO

Escrito por Helinho Rodrigues em . Publicado em Notícias

O vereador Carlos Henrique Moreno Batista – Ká do Esporte – apresentou na Câmara de Vereadores de Pedregulho, indicação em que sugere a volta do Programa Jovem Aprendiz (hoje denominado “Aprendiz Legal), através da Prefeitura da cidade.

 

Ká do Esporte destacou que “o Programa Jovem Aprendiz oportuniza a qualificação e garantia da primeira experiência profissional com benefícios como carteira assinada, salário mínimo e vale-transporte, àqueles jovens ou adolescentes que estejam matriculados e frequentando a escola, caso não tenham concluído o ensino médio”.

Ele ainda referenciou em sua Indicaçao de nº 307/2019, que, “como o próprio nome diz, é uma forma de se aprender uma profissão, com vistas à melhoria de vida, geração de renda e preparo para novos trabalhos no futuro. Portanto, a importância de tal Programa é incontestável.

Desta forma, o parlamentar pedregulhense Indicou ao

Executivo Municipal para que sejam realizados estudos no sentido de, através da Secretara de Educaçao ou de Trabalho, visando a proporcionar o retorno das atividades de ensino profissionalizante do do Programa de forma a capacitar mais jovens para o trabalho.

COMO É O PROGRAMA

O Programa Jovem Aprendiz, agora denominado “Aprendiz Legal” tem o sistema de aprendizagem voltado para a preparação e inserção de jovens no mundo do trabalho, que se apoia na Lei 10.097/2000, a Lei da Aprendizagem e é desenvolvido na região pelo CIEE – Centro de Integração Empresa-Escola.

O Programa busca contribuir para a formação de jovens autônomos, que saibam fazer novas leituras de mundo, tomar decisões e intervir de forma positiva na sociedade e se contrapõe à idéia de que o ingresso contínuo de jovens no mercado de trabalho seja um problema.

A experiência do Aprendiz Legal possibilita ao jovem assumir o papel de agente de desenvolvimento de sua própria carreira, de colaborador da empresa que o recebe, sua energia, sua criatividade, sua ousadia e sua tendência à contestação são canalizadas para renovar ideias, estruturas e processos.

A Lei da Aprendizagem (n° 10.097/2000) determina que uma cota entre 5% e 15% das vagas das companhias consideradas de médio e grande porte seja destinada aos jovens entre 14 a 24 anos incompletos, sendo estudante dos ensinos Fundamental, Médio, Técnico ou formado.