USINA AMEAÇA BARRAR ENTRADA DE MORADORES DAS COMUNIDADES DA REGIÃO DO ESTREITO

Escrito por Helinho Rodrigues em . Publicado em Notícias

A possibilidade de a Usina Engenheiro Luiz Carlos Barreto (Estreito) proibir o ingresso e a passagem de moradores das Vilas Primavera (antigo Chora Nenê) e Barreira no acampamento da Vila Residencial da hidrelétrica vai gerar muita polêmica.

Logo após surgir a ameaça – que seria decorrente de um afogamento ocorrido no perímetro da vila Residencial, o vereador Wanderley Moreira de Carvalho – Careca, se mobilizou e pretende promover discussão sobre o tema.
O vereador considera que esta ameaça – que se junta a outras medidas que restrigem entrada de pessoas na Vila Residencial do Estreito – ferem o direito dos cidadãos, o consagrado de “ir e vir”.
O parlamentar que reside na Vila Primavera e é representante daquela comunidade na Câmara de Pedregulho afirmou: “A Vila Primavera, e principalmente a Vila Barreira (esta ao lado da entrada do acampamento) cresceram em torno da Usina de Estreito. E uma comunidade da Usina e seus moradores não podem passar por este constrangimento”, disse o vereador.
Ele lembra também que há mecanismos de controle de entrada e saída das pessoas pela guarita da Vila Residencial que não feririam o direito de ir e vir das pessoas. “A entrada pode ser controlada com a identificação das pessoas, dos veículos e até da documentação, como registro do número da CNH do visitante”.
Careca ainda destaca pontos relevantes para contestação da suposta medida de Furnas: "A Prefeitura toca o hospital que Furnas abandonou na Vila Residencial, lá funcionam creche e escola que são subsidiadas pela Prefeitura. Sem contar inúmeros outros fatores que tornam o local, de uso comum do povo", afirmou,
Para que a ameaça de impedir as pessoas de entrarem na Vila Residencial não vá avante, vereador e pede uma reunião com a Chefia da Usina de Estreito, com a Associação dos Moradores, com a participação dos demais vereadores e do prefeito José Raimundo de Almeida Júnior – Zezinho do Galego - para discutir esse assunto.
“Se isso for levado avante, muita gente será prejudicada. Não descarto a possibilidade de, em nome da população, pedir a interferência do Ministério Público para garantir o direito dos cidadãos”, alertou o vereador.